Os alunos do 11º E participaram, no âmbito da disciplina de Português, numa atividade de escrita criativa intitulada “À Cesário…”. Assim, no dia 21 de junho, transformámo-nos em “observadores acidentais” e deambulámos pela cidade de Faro, passando pelo Mercado Municipal, por alguns bairros icónicos da cidade, pela baixa, cidade velha e ria de modo a percecionarmos o real através dos sentidos, ao modo de Cesário Verde. Em seguida, cada um dos alunos escreveu um poema. Ficam aqui dois, a título de exemplo.

Os pássaros acordam a cidade
com a já sabida melodia.
Sente-se a azáfama matinal
que marca a chegada de um novo dia.

E ando eu perdido pelas ruas
sem saber que rumo vou levar.
Pelo mercado, as cores vivas da fruta
lembram as tardes de verão a chegar.

E ao fundo sente-se a calma e serena maresia,
que se confunde com a movimentação
que marca a chegada de um novo dia.

Clara Guerra

Nesta cidade banhada pela ria,
Acordam apressados os trabalhadores,
Pegam nas suas máquinas ruidosas
E como formigas dirigem-se para os seus destinos.

No café, dominado pelo aroma a grãos torrados,
Espalha-se o tema da vida alheia,
Rapidamente abafado pela incessante venda no mercado ao lado,
Destacando-se as doces cerejas que rosam as mãos.

Na baixa, conquistada pela maresia,
Cantam as cegonhas, obram os obreiros,
Rugem os motociclos e comentam os turistas,
Nesta cacofonia a que chamamos de dia-a-dia.

Miguel Santos

Scroll to Top