Projeto Monet Oblectando
25 April, 2020
ENSINO SECUNDÁRIO -EXAMES – FAQs- JNE
28 April, 2020

ARTE E LIBERDADE- 25 DE ABRIL 2020

SELEÇÃO DE OBRAS DE ARTE DOS ALUNOS DAS TURMAS B, D, F DO 11 ANO- CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO.

As portas que Abril abriu

(fragmentos)

Era uma vez um país

onde entre o mar e a guerra

vivia o mais infeliz

dos povos à beira-terra

Onde entre vinhas sobredos

vales socalcos searas

serras atalhos veredas

lezírias e praias claras

um povo se debruçava

como um vime de tristeza

sobre um rio onde mirava

a sua própria pobreza.

[…]

Ora passou-se porém

que dentro de um povo escravo

alguém que lhe queria bem

um dia plantou um cravo.

Era a semente da esperança

feita de força e vontade

era ainda uma criança

mas já era liberdade.

Era já uma promessa

era a força da razão

do coração à cabeça

da cabeça ao coração.

Quem o fez era soldado

homem novo capitão

mas também tinha a seu lado

muitos homens na prisão.

[…]

Posta a semente do cravo

começou a floração

do capitão ao soldado

do soldado ao capitão.

Foi então que o povo armado

percebeu qual a razão

porque o povo despojado

lhe punha as armas na mão.

Pois também ele humilhado

em sua própria grandeza?

era soldado forçado

contra a pátria portuguesa.

Era preso e exilado

e no seu próprio país

muitas vezes estrangulado

pelos generais senis.

Capitão que não comanda?

não pode ficar calado

é o povo que lhe manda

ser capitão revoltado

é o povo que lhe diz

que não ceda e não hesite

– pode nascer um país

– do ventre duma chaimite.

Porque a força bem empregue

Contra a posição contrária

nunca oprime nem persegue

– é força revolucionária!

[…]

José Carlos Ary dos Santos, As portas que Abril abriu, Comunicação, Lisboa, 1975